Uma Noite dos Museus em Petersburgo

A Noite dos Museus é um evento enorme em que 33 países europeus organizam uma programação noturna em mais de dois mil museus. Mas em Petersburgo ela se confunde com a chegada da primavera, que é uma festa enorme em um lugar tão frio, e das Noites Brancas, a época do ano em que o sol não se põe completamente. Então o clima é de festa como eu nunca vi antes.

Em Petersburgo eram mais de cem museus participantes, com cinco linhas de ônibus especiais que passavam por todos eles e o metrô funcionando a noite inteira e gratuito para quem tivesse o ingresso combinado dos museus. Meses antes eles já estavam divulgando a programação e eu já estava tentando escolher os meus. Então esses foram meus escolhidos, e um pouquinho sobre a experiência.

Museu Número 1 – Mansão Rumiatsev

Comecei a visita com a Mansão Rumiantsev. Ela abriga um museu dedicado a contar a história da Rússia depois de 1917 (a história antes de 1917 é contada na Fortaleza de Pedro e Paulo). A coleção lá é extensa, mas nem sempre está em exibição. A parte sobre a Segunda Guerra, chamada de “Leningrado durante a Grande Guerra Patriótica” é bem tocante e inclui por exemplo o diário de Tania Savicheva, uma menina que morreu no cerco, mas o resto varia muito, é bom checar as exposições temporárias.

Durante a Noite dos Museus, eles fizeram exposições sobre a Revolução, contando como era a vida para as pessoas comuns naquela época. Eles falavam das transformações dos palácios, das músicas que eram populares, e faziam um pequeno teatro para mostrar um pouco mais. Além disso, tinha uma exposição temporária sobre a Belle Époque em Petersburgo.

Museu Número 2 – Casa de Aleksandr Blok

A segunda parada, lá pertinho, foi a casa de Aleksandr Blok, considerado por muitos o maior poeta da Era de Prata da literatura russa (a Era de Ouro foi um século antes, a de Pushkin e Lermontov). Anna Akhmatova, Marina Tsvetaeva, Boris Pasternak e Vladimir Nabokov eram alguns de seus admiradores, e todos os quatro escreveram versos em sua homenagem.

Ele escreveu muitos poemas sobre Petersburgo, a cidade que ele amava, mas ele é mais conhecido por seu longo poema Os Doze. Nele, ele acompanha doze soldados bolcheviques pela Petrogrado revolucionária. Foi bem polêmico na época, mas ainda hoje é admirado pela forma como incorporou sons e gírias. Depois Blok passou três anos sem escrever, decepcionado com a Revolução. Ele morreu em 21, muito doente e sem conseguir um visto para se tratar no exterior.

O museu é composto do apartamento onde o poeta viveu, preservado com os móveis da época, de uma grande exposição sobre o poema Os Doze e de centros de atividades. Quando eu fui lá, ele estava cheio de fãs, que liam em voz alta seus poemas preferidos. Muitos estavam vestidos como o poeta, ou com roupas da Belle Époque.

Museu Número 3 – Museu da Música

O Palácio Sheremetev foi construído por uma das famílias mais ricas da Rússia. Durante a Revolução, ele foi transformado no Museu da Nobreza, enquanto o anexo no jardim foi dividido em apartamentos. A Anna Akhmatova morou em um deles, e por isso ainda dá para visitar o museu dela lá. Em 1989, ele foi entregue ao Museu do Teatro e da Música, assim como a coleção estatal de Instrumentos musicais.

Durante a Noite dos Museus, ele oferecia dois percursos. Comecei pelo primeiro, que era justamente pela coleção de instrumentos musicais.

Depois fiquei na fila para o segundo, que era um itinerário para contar a história do palácio e da família Sheremetov. Sendo coerentes com os museus, a fila passava por vários concertos.

Esse foi um dos museus mais cheios que vi. Sai em torno de uma da manhã e a fila do lado de fora só crescia.

Museu Número 4 – Arts Square

O quarto museu da noite foi o Arts Square, uma galeria de arte. Eles tinham uma exibição com estátuas de Dali, e, como o museu era pequeno mas o interesse era grande, tive que ficar um bom tempo na fila. Ele também estava lotado, mas valeu a pena, porque era Salvador Dalí.

Petersburgo noite dos museus arts square dali telefone lagosta

O lugar também é onde ficava a casa da bailarina Anna Pavlova, e por isso um quarto é dedicado a ela.

Petersburgo noite dos museus arts square casa anna pavlova

Museu Número 5 – Filarmônica Shostakovitch

O plano da filarmônica era de ter 12 concertos, um começando a cada hora, transitando entre jazz, Ravel, Beethoven. Como ela é enorme, tava sem fila, o que foi ótimo depois dos dois últimos.

Eu cheguei lá para o concerto das três, com instrumentos de corda e outros típicos do Cáucaso. O concerto se chamava “Quintet of Four. Metamorphosis of one Ensemble”, e tocou de clássicos russos, como Mussorgski e Tchaikovski, a Nirvana.

Às quatro começou um grupo A Capella, e eu tomei isso como um sinal que era hora de ir para casa.

O fato de que foi a segunda vez na noite que ouvi essa música confirma que os anos 90 estão na moda até na Rússia

Essa foi a minha Noite dos Museus, e recomendo demais. Se você não fala russo, preste atenção no que cada museu oferece. Teatros e palestras geralmente não tem tradução, e é melhor escolher exposições e espetáculos de dança e música.

A primavera na Rússia foi cheia de festivais. Fiz um post contando sobre eles aqui, não perca se você quiser visitar nessa época.

fogos de artificio aniversario petersburgo

Clique na imagem para ler todos os nossos posts sobre a Rússia:

5 comentários

Deixe uma resposta