A história das três tsarinas que marcaram a construção do Palácio de Inverno

O Hermitage é esmagador. Você entra e encontra uma das maiores coleções de arte do mundo, espalhados por uma dezena de palácios com histórias riquíssimas. Não é exagero dizer que tem hora que a gente não sabe para onde olhar. Para escrever sobre a experiência, foi um pouco parecido, eu não sabia nem por onde começar. Então vou escrevendo aos poucos sobre o que me impressionou no Hermitage, começando pelas histórias das três tsarinas que construíram a parte mais famosa do museu, o Palácio de Inverno.

Petersburgo Hermitage salão branco

Os tsares do início de Petersburgo

Para fazer um pouco de sentido no caos de sucessão durante o reinado dessas três tsarinas, temos que começar a história falando de Ivan V e Pedro I.  Ambos eram filho do Tsar Alexis. O irmão mais velho deles, Fiódor III, tornou-se tsar, mas morreu antes de ter herdeiros. Ele deixou a coroa para o irmão mais novo, Pedro I, que ainda era uma criança, relegando Ivan, que era uma pessoa com deficiência. Mas isso gerou uma revolta na Rússia. Rumores diziam que Ivan tinha sido envenenado por membros da nobreza para que a coroa passasse para seu irmão de dez anos. A revolta chegou ao ponto que os Streltsy, os guardas armados do tsar, tomaram o Kremlin e exigiram que Ivan fosse coroado tsar.

Como os dois possíveis herdeiros eram filhos de casamentos diferentes dos tsars, as duas famílias buscavam ter influência e conquistar o trono. Um acordo foi feito pelo qual os dois irmãos seriam co-tsars, com Sofia Alekseievna, filha do primeiro casamento do tsar Aleksei, como regente. Ela era uma pessoa muito interessante, que conseguiu ter grande influência em uma época quando mulheres ainda ficavam trancadas em casa e só saíam à rua com véu (mas depois foi trancada no Convento de Novodevichi por um Pedro paranóico). 

Petersburgo Hermitage corredor tapeçarias

Pedro hoje é mais conhecido como O Grande, principalmente por ter criado Petersburgo. Depois desse tempo, Ivan ficou a maior parte do tempo em casa, jejuando e rezando. Ele morreu jovem, deixando três filhas, Ekaterina, Anna e Praskóvia.

Alguns anos depois, o imperador Pedro também morreu, sem nomear um sucessor. Ele só tinha tido um filho, Aleksei, que ele ordenou que fosse torturado e morto sob suspeita de conspirar contra o pai (contamos um pouquinho mais sobre essa história no post sobre a Fortaleza de Pedro e Paulo). Depois ele tinha se casado com uma camponesa que ele coroou com o nome de Catarina I. Duas filhas deles chegaram à idade adulta, Anna Petrovna e Elisaveta Petrovna, mas elas tinham nascido antes do casamento, só sido reconhecidas depois, e a nobreza não as aceitava por causa da mãe.

Petersburgo Hermitage palácio de inverno sala de trono de Pedro I
Embora o palácio tenha sido construído depois da época de Pedro I, os tsares posteriores fizeram uma sala de trono para ele, como homenagem ao construtor de Petersburgo. Ela era usada principalmente como salão cerimonial

Depois da morte de Pedro, sua esposa Catarina se declarou tsarina. O palácio de Caterinhof, perto de Petersburgo, foi nomeado assim por causa dela, e ela foi a primeira dona de Tsarkoye Selo, presente de Pedro para ela.

Depois de Catarina I, quem assumiu foi Pedro II, filho de Aleksei Petrovitch, o que Pedro I tinha mandado assassinar. Foi outro reinado curto, porque ele morreu apenas alguns anos depois sem deixar filhos ou nomear herdeiros. Nesse ponto, para quem está contando, havia cinco herdeiras ao trono, as três filhas de Ivan V e as duas filhas de Pedro I.

 

Anna I

Petersburgo Hermitage chão de madeiras raras
Fiquei muito apaixonada com o chão do Hermitage, fazendo padrões com dezenas de tipos de madeira rara

Anna, segunda filha de Ivan V, assumiu o trono. A sua irmã Caterina, embora fosse mais velha e morasse na Rússia, foi preterida porque era casada com um estrangeiro. Anna era viúva, seu marido tendo morrido alguns minutos após o casamento, e ela tinha governado o seu ducado na Lituânia por vinte anos, então ela tinha experiência de governo. Os nobres que a escolheram achavam que ela seria grata por isso, e se mostraria maleável. Para garantir isso, eles a forçaram a assinar um acordo de que ela não assinaria tratados de guerra e paz sem ouvir o conselho e não puniria membros da nobreza sem julgamento, entre outras cláusulas.

Logo depois ela dissolveu o conselho, mandando alguns dos que tinham imposto essas condições para o patíbulo, e os outros para a Sibéria. Ela era conhecida como excêntrica e cruel. Uma vez ela nomeou o príncipe Mikhail Golitsin a ser seu bobo da corte, casou-o com uma de suas servas e paradeou os dois pela cidade em uma jaula em cima de um elefante. Ela construiu um enorme palácio de gelo para o casamento dos dois e os obrigou a passar a noite ali no meio do inverno, aconselhando que eles deviam consumar o casamento se não quisessem morrer de frio.

Na política, ela continuou muitas das políticas de Pedro. Ela continuou a fundar a Academia de Ciências, e continuou a modernização e ocidentalização da Rússia. Isso foi fundamental para Petersburgo, porque após a morte de Pedro I, durante as confusões pelo trono, a cidade tinha sido praticamente abandonada. Dizem que bandos de lobos andavam pela cidade. Anna estabeleceu corte em Petersburgo. Na época já existia um palácio chamado de Palácio de Inverno, mas ela encomendou outro de Francesco Bartolomeo Rastrelli, um arquiteto italiano conhecido pelo estilo suntuoso que fez vários palácios na cidade. A base do prédio não foi o Palácio de Inverno que já existia, construído por Pedro I e ampliado por seus sucessores, mas o Palácio Apraksin. Ela também deu o primeiro baile do novo Palácio de Inverno.

Petersburgo Hermitage um salão de baile
Um salão de baile do Hermitage

Antes de sua morte, ela escolheu como sucessor seu sobrinho-neto, Ivan VI, neto da irmã Catarina, que tinha sido relegada ao trono. A filha de Catarina, Anna Leopoldovna, era detestada na corte por causa das suas relações com alemãs, e Ivan VI tinha apenas dois meses.

 

Elizaveta I

Elizaveta começou seu reino dando um golpe no pequeno tsar, treze meses depois de sua ascensão, e colocando-o na prisão. Ivan VI viveu na prisão isolado até os 24 anos, quando alguns dos guardas tentaram libertá-lo e ele foi morto, já no reinado seguinte. Os irmãos dele, nascidos em confinamento, foram libertados quando tinham entre 35 e 40 anos e mandados para morar com a prima, a então rainha da Dinamarca. A última sobrevivente, Catarina, chegou a pedir para ser mandada de volta para a prisão russa, sem sucesso.

Elizaveta tinha sido considerada ilegítima quando nasceu, depois tendo sido reconhecida quando princesa quando seu pai, Pedro I, casou-se oficialmente com sua mãe. Pedro I tinha um filho, e por isso ela nunca foi educada para governar. Depois da morte dos pais, ela viveu em relativa obscuridade, principalmente durante o reinado da prima, Anna I. Mas ela conseguiu ganhar muito apoio, principalmente durante a regência de Ivan VI, quando houve um grande aumento de impostos. Finalmente, ela conseguiu tomar o trono sem derramar sangue. Ela tinha prometido que, se conseguisse ser coroada, não assinaria nenhuma sentença de morte, algo extraordinário para a época, e que ela cumpriu.

Petersburgo Hermitage relógio do avão

Elizaveta ficou conhecida pelo seu amor pelas artes, pela música, pelo teatro e pela arquitetura. Ela gostava do estilo rococó, do luxo, do excesso. O Palácio de Inverno se tornou para ela um símbolo de prestígio nacional, e Rastrelli fez planos novos, em escala colossal. Mesmo durante a Guerra dos Sete Anos, o projeto não podia parar, e vários novos impostos foram criados. Quando ela morreu, ele estava quase pronto. O exterior do prédio continua parecido, mas pouco sobrou do interior de Rastrelli, exceto a escada Jordan, a grande igreja e muito da decoração.

Petersburgo Hermitage panorama escadarias rastrelli 2

Quando Elizaveta morreu, deixou como sucessor seu sobrinho Pedro, que assumiria como Pedro III.

Petersburgo Hermitage baldaquino

 

Catarina II

O reinado de Pedro III poderia ser descrito como progressivo em muitos aspectos. Ele criminalizou o assassinato de servos por parte de proprietários de terras, tornou obrigatória a educação da aristocracia, revogou o alistamento forçado da aristocracia e os permitiu de viajar para fora. Ele acabou com a polícia secreta e declarou liberdade religiosa, algo que não existia nem na Europa ocidental.

No entanto, ele era detestado na Rússia. Ele tinha nascido em um ducado no que hoje é a Alemanha e trazido para a Rússia para ser o herdeiro de Elizaveta aos 14 anos. Quando ele assumiu, ele mal falava russo, e perseguiu uma política pró-Prússia. Elizaveta tinha arranjado para ele um casamento com Sophia de Anhalt-Zerbst, uma princesa que era prima de segundo-grau de Pedro e sobrinha do noivo da própria Elizaveta. O casamento foi infeliz, e ambos tiveram muitos amantes.

Mas o reinado de Pedro durou apenas seis meses – um golpe foi liderado por sua esposa, que tomou o nome de Catarina II. Ela admirava Pedro I, e queria modernizar a Rússia segundo as idéias em voga na Europa Ocidental. Ela se correspondia com Voltaire, convidou Diderot para escrever a Enciclopédia na Rússia, e ficou conhecida como uma déspota iluminada. O período em que ela governou é chamado de Iluminismo Russo.

Por outro lado, ela estendeu as bordas do Império russo e aumentou a servidão, colocando mais um milhão de pessoas sob seu jugo.

Sob Catarina, o palácio foi mais uma vez ampliado. Seus arquitetos preferidos, Starov e Giacomo Quarenghi, construíram novas salas ao gosto da nova imperatriz. Depois ela encomendou do arquiteto francês Jean-Baptiste Vallin de la Mothe uma nova ala, que seria um lugar para se retirar das formalidades e cerimônias da corte, para curtir seu tempo sozinha. Catarina chamava esse lugar de Hermitage – eremitário.

Petersburgo Hermitage mosaicos romanos
o chão é de mosaicos romanos tirados diretamente de uma villa na Itália

Catarina também mandou construir os três palácios vizinhos, que coletivamente ganharam depois o nome de Hermitage. Mas ainda mais importante, foi ela que começou a coleção que se tornaria a base do museu. Os seus embaixadores em Londres, Roma, Amsterdam e Paris foram instruídos a procurar por obras de arte, e ela frequentemente comprava coleções inteiras. A coleção cresceu tanto que o palácio teve que passar por novas ampliações, inclusive uma que destruiu o Palácio de Inverno de Pedro I (depois em escavações acharam uma pequena parte, que está aberta para visitação). Ouvindo falar que uma das jóias do Vaticano eram os quartos completamente pintados por Rafael, ela exigiu que um dos corredores fosse transformado em uma cópia perfeita, com uma única diferença: o símbolo dos Romanov substituindo o emblema papal

Petersburgo Hermitage sala de rafael copia vaticano

Petersburgo Hermitage sala do trono

A história do palácio depois passa por vários outros tsares, uma bomba durante um atentado terrorista, algumas reconstruções, três Revoluções e duas guerras mundiais. Como tá ficando grande, tem outro post para contar como ele sobreviveu a isso tudo para se tornar um dos maiores museus do mundo.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s