Alghero – centro histórico da cidade catalã da Sardegna

Alghero foi a minha base durante a minha viagem pela Costa de Coral da Sardegna, e foi perfeita para isso. Não só é uma base conveniente para viajar para lugar como Stintino, as Grutas de Netuno e Bosa, mas é uma cidade incrível para passar alguns dias, uma cidade medieval murada com uma atmosfera e vida noturna maravilhosas. Eu tinha decidido fazer uma viagem mais lenta, já que tudo estava um pouco complicado por causa da pandemia, e passar uma semana em um só lugar e fazer tudo de lá. E no final isso foi ideal porque consegui ver um pouco mais de Alghero, uma cidade que realmente amei. Então esse post vai se concentrar no Centro Histórico, mas já tivemos dois outros sobre a cidade, falando sobre as praias de Alghero e sobre os centros arqueológicos de Palmavera e a Necrópole de Anghelu Ruju.

A área onde fica Alghero é ocupada desde a pré-história, como dá para ver nos centros arqueológicos, mas a cidade foi construída muito depois, no século XI, pela família genovese dos Doria. Eles controlaram a cidade por séculos, até que ela foi conquistada pelos catalães no século XV. A cidade ainda tem muita influência dessa época, inclusive no dialeto que eles falam, que é muito próximo do catalão. Alghero depois passou para a coroa de Aragão, e no século XVIII, com o resto da Sardegna, passou para o controle da coroa do Piemonte, quando começou um processo de italianização da ilha. Foi só nos anos 50 que ela se tornou um destino popular para turistas, o que parece chocante, tendo em vista em como ela é vista como um paraíso na terra hoje, conhecida pelo esplendor natural.

No centro, como em tantas cidades italianas, um dos primeiros lugares que visitei foi o Duomo. Ele se destaca muito na cidade, por ter uma fachada bem mais nova do que o que fica ao redor, já que foi construído no século XIX. Mas quando você passa a entrada, encontra uma igreja catalã mais antiga, com algumas adições do renascimento. A igreja também é famosa pela torre do sino, que tem vista para a cidade.

A Chiesa di San Francesco é outros dos lugares principais para visitar em Alghero. Ela foi construída nos século XIV e XV, em estilo gótico catalão, e depois passou por algumas reformas durante o Renascimento. Comprando o bilhete combinado, dá para visitar o claustro, a sacristia, a cripta, a igreja em si, e subir a torre para ver as vistas para a cidade. Durante o verão, eles também tem concertos no claustro. Não consegui pegar um, mas parece uma ótima experiência.

Outra igreja que vale a pena visitar é Chiesa di San Michele, conhecida na cidade pela cúpula de maiolica. 

A Piazza Civica era o centro cívico da cidade medieval, onde os aristocratas espanhóis se encontravam para debater. A parte mais famosa dela é o Palazzo d’Albis, um palácio gótico que abrigou o Imperador Carlos V quando ele visitou Alghero. Hoje, ainda é uma praça bonita, mas dominada por restaurantes pega-turistas.

Aproveitei que eu tinha o Alghero Card, que dá entrada na maioria dos museus da cidade, para fazer um giro por eles também. O Museu Archeologico foi o primeiro, e que foi uma combinação perfeita com os centros arqueológicos que visitei na cidade, a Necrópole de Anghelu Ruju e o Nuraghe de Palmavera. Para quem está interessada nessa época, ele conta muito da história da civilização nurágica da Sardegna.

Também visitei o Museu do Coral, que presta homenagem ao material que é um dos principais produtos de exportação da Sardegna, o “ouro vermelho do Mediterrâneo”. Ele conta um pouco da história da exploração do coral, um pouco mais sobre o que é. Além disso, eles também mostram muito as tradições de artesanato, com jóias, caixas

Além deles tinha outro museu que eu queria visitar, mas não consegui, o Museu Diocesiano, de arte religiosa.

Deixei por último as Muralhas da Cidade, um dos meus passeios preferidos, porque já sabia que ia postar uma grande quantidade de fotos. Elas foram construídas no século XVI, para proteger a cidade de ataques pelo mar, e ainda são cheios de torres defensivas, mas também tem vistas lindas para a cidade e são cheios de bares e restaurantes. É um passeio não só para fazer, mas para repetir em horas diferentes do dia.

Também aproveitei muito os restaurantes de Alghero, e fui em vários que curti muito, como a Trattoria lo Romani, a Botteghina e El Refettorio, Um dos meus preferidos foi a Bottega di Tommy, que vende produtos típicos como queijos, azeites e bottarga. Eles também vendem focaccie com produtos típicos que sao enormes, um verdadeiro almoço, por 4 euros, então é perfeita para levar para um day trip. Um dia peguei uma de salame com trufas e pecorino, e no outro uma de salame apimentado, creme de pecorino e alcachofras sardas.

Porceddu, porco assado, na Trattoria lo Romani

E claro, vou terminar com mais fotos de centro histórico.

Livraria e bar vinho Cyrano

Clique na imagem para ler mais posts sobre a Itália.

Deixe uma resposta