O Apartamento Memorial de Púchkin em Petersburgo – luto e veneração com o pai da literatura russa

Minha viagem para a Rússia foi planejada em torno dos apartamentos memoriais dedicados a grandes escritores russos. E um dos últimos que eu vi foi o modelo da maioria deles, o apartamento em homenagem a Aleksandr Puchkin, considerado o fundador da literatura russa. Ele morreu jovem em circunstâncias trágicas, enquanto seus fãs e reuniam do lado de fora do apartamento, e o museu ainda tem uma atmosfera de luto, e é dedicado principalmente à sua perda. 

Petersburgo apartamento Puchkin poeta russo casa moika
A casa onde Puchkin alugou um apartamento, no canal Moika

Púchkin ficou conhecido como um grande gênio, que começou a revolucionar a literatura russa quando ele ainda estava no ensino médio. Segundo Nabokov, ele combinou as versões do russo que existiam na sua época, o estilo poético e metafísico do eslavônico da igreja, os galicismos abundantes, os coloquialismos e uma estilização do estilo popular, e criou um russo literário cheio de nuance. 

O museu tem primeiras edições de várias de suas obras. Ele é um daqueles autores que inventou expressões que se tornaram uso corrente, e cujas criações fazem parte do imaginário nacional. Seu poema O Cavaleiro de Bronze é parte do Mito de Petersburgo, que via a cidade como um lugar espectral, construído sobre ossos e que poderia sumir na névoa. Alguns versos desse poema, “Eu te amo, criação de Pedro”, também são usados freqüentemente em campanhas do governo da cidade. Várias óperas e ballets são baseados em suas interpretações de contos de fadas russos. Existem centenas de estátuas dele e de lugares nomeados em sua honra, inclusive a praça em Moscou cujo discurso de inauguração foi dado por Dostoiévski. Ele é inescapável, o que não é ruim porque lê-lo torna uma viagem à Rússia mais rica.

Russia Petersburgo estátua cavaleiro bronze pedro I

Pushkin se mudou para a casa onde fica o museu quatro meses antes de sua morte. Sua vida pessoal foi marcada por encontros com os tsares russos, censura, e mesmo períodos de exílio afastado da corte. Ele era amigo de vários oficiais que participaram da Revolta Dezembrista de 1825, quando eles exigiam a posse do grão-duque Konstantin e uma constituição, e que foi brutalmente reprimida com a ascensão de Nicolas I, levando ao poeta ser vigiado. Ele tinha se casado com Natalia Goncharova quando ela tinha dezesseis anos e era reconhecida como uma beldade, e quando ganhou um título de nobreza pequeno ele o viu como um insulto, porque o imperador não estava reconhecendo o seu talento, mas apenas dando condições práticas para que a sua esposa pudesse frequentar a corte.

Petersburgo apartamento Puchkin poeta russo casa
Interior da casa com retrato do poeta (o original está na Galeria Tretiakov)

Puchkin era ciumento e orgulhoso, uma combinação explosiva quando começaram a circular boatos de que sua esposa estava tendo um caso com um oficial francês, Georges D’Anthès. Puchkin o chamou para um duelo uma vez, e seus amigos conseguiram resolver a situação, mas D’Anthès continuava a flertar descaradamente com Natália. Púchkin recebeu uma carta ofensiva que o parabenizava por ter entrado para a “Ordem dos Cornos”, que está na exposição do museu. Púchkin escreveu uma carta insultando D’Anthès, uma carta cuja única resposta possível para um nobre da época era um duelo.

O duelo aconteceu no dia 27 de janeiro. D’Anthès, que tinha sido o ofendido, atirou primeiro, e acertou o poeta no abdômem. Ele ainda conseguiu atirar de volta, ferindo o francês no braço direito. Púchkin foi levado para casa sangrando. Um médico foi chamado imediatamente, mas depois de dois dias, ele faleceu de uma infecção. Em uma das salas, a atendente apontou com reverência “O sofá”, com uma grande mancha de sangue para onde ele foi levado quando voltou para casa. Recentemente, DNA confirmou que o sangue no sofá pe mesmo de Púchkin.

Petersburgo apartamento Puchkin poeta russo divã

Quando a notícia se espalhou, centenas de pessoas se reuniram do lado de fora do prédio para esperar notícias do poeta. Um amigo de Púchkin escreveu o nome do escritor na porta com um pedaço de cartão, usando-a para informar o seu estado de saúde. O museu mantém a máscara mortuária de Púchkin, o casaco que ele usava, um cacho de seu cabelo, todos imediatamente transformados em memorabilia quando ele morreu. Todo 10 de fevereiro (29 de janeiro no calendário antigo), pessoas ainda se reúnem no pátio para lembrar da morte prematura do poeta. Cidadãos de Petersburgo, amantes de poesia e literatura, administradores da cidade e descendentes de Púchkin se reúnem no pátio e fazem um minuto de silêncio às 2:45, quando o seu coração parou de bater.

Petersburgo apartamento Pushkin
O nível de veneração por Púchkin chegava a ser estranho. Mesmo com o papel que ele teve para a literatura. Mas acho que também tem muito a ver com essa morte prematura, aos 37 anos. Se os considerados pais de outras literaturas, Dante, Shakespeare, Goethe, Camões, tivessem morrido com essa idade, não teriam escrito algumas das obras pelas quais são tão conhecidos. O poeta tido por alguns como seu sucessor, Lermontov, morreria um pouco mais de três anos depois, aos 26, em um duelo mal explicado que parece ter sido ordenado pela tsar. Gumiliov seria executado com 35, Blok morreria de inanição aos 40, Maiakóvski deu um tiro no coração aos 40, Yessenin se matou aos 30. O escritor Roman Jakobson, ao listar os grandes poetas russos em seu ensaio sobre Maiakóvski e ver quantos morreram cedo, comenta que é perigoso ser poeta na Rússia, e chama o livro de A Geração que Esbanjou Seus Poetas. Claro que não é só isso, já falei de como ele revolucionou a língua e a literatura. Mas é parte de sua aura trágica, de alguém que partiu cedo demais. Hoje o instituto de escritores russos se chama A Casa de Púchkin, e o dia celebrado para a língua russa é o 6 de junho, seu aniversário. Para quem curte literatura russa ou a história de Petersburgo, é um museu incrível.

Apesar do papel de Púchkin, não temos tantos livros seus publicados em português com traduão direta. Alguns poemas e contos foram publicados no volume A Dama de Espadas, publicado pela editora 34 com tradução de Boris Schnaiderman, e uma tradução de Eugênio Oneguin, por Dário Moreira de Castro Alves, que saiu pela Record. Só como esclarecimento, esses não são links afiliados, e o blog não ganha nada com eles, então estão aqui só para divulgar as traduções diretas do russo.

Deixe uma resposta