Alberobello – a cidade dos trulli da Puglia

Eu resolvi ir para Alberobello em um domingo, e nesse dia não tem trens saindo de Bari, apenas ônibus “cata-jeca” que param em cada cidadezinha minúscula do caminho. Grande parte do caminho de duas horas foi passando por subúrbios modernos, com prédios de apartamentos todos iguais. Em outros momentos, entrávamos em cidadezinhas, em que dava para ter rápido o vislumbre de uma torre ou um castelo. Grande parte foi pelo campo, com plantações de oliveira que se estendiam por quilômetros, e foi aí que comecei a ver os primeiros trulli.

Puglia Alberobello trulli vistos da janela do ônibus
A foto é péssima porque é da janela do ônibus

Os trulli são exatamente o que eu estava indo ver em Alberobello: casinhas de pedra seca com um telhado cônico, que são construídas dessa forma desde a pré-história, e que ainda são bem comuns nessa parte da Itália, o Valle d’Itria. Já tinham me dito antes que elas são muito usadas como depósitos, e por isso dava para ver tantos da janela do ônibus. Tinha trulli enormes, do lado de masserie, as fazendas fortificadas comuns nessa região, aglomerados com uma dezena de trulli, trulli isolados no meio do campo.

Puglia Alberobello trulli entrada cidade
Esse é já em Alberobello

O que torna Alberobello única não é exatamente os trulli, mas ver bairros inteiros cheios deles, onde pessoas ainda vivem. É isso que a tornou patrimônio da humanidade pela UNESCO. Os trulli começaram a ser usados como casas em Alberobello no século XVII, por causa do conde Girolamo II, que só permitia a construção de casas de pedra seca na região, sem cimento. É que a construção de uma nova cidade faria com que ele tivesse que pagar impostos para o Vice-Rei da Espanha, que governava a região, e ele achou esse meio de fazer parecer que a aglomeração de trulli não era exatamente uma cidade, mas construções precárias e temporárias. Já tinha trulli por lá, como eu disse, eles são construídos dessa forma desde a pré-história, e até hoje dá para ver alguns do século XIV. Esse foi mais um motivo pelo qual ele achou que dava para passar Alberobello como menos do que uma cidade.

Puglia Alberobello trulli rione monti 2

Eu comecei a minha visita justamente pelo bairro que tem a maior quantidade de trulli, mais de mil segundo a UNESCO, o Rione Monti. A maioria dos trulli lá estão abertos para quem quiser entrar, já que muitos foram transformados em restaurantes e lojas de souvenirs. Por um lado, essa é uma região da Itália com altos índices de desemprego, e que bom que a população local está tentando lucrar um pouco do turismo. Por outro, ver dezenas de lojas de souvenirs vendendo as mesmas tralhas dá uma sensação de Disney e armadilha para turistas. Mesmo assim, foi bom visitar pela oportunidade de entrar nos trulli, e de ver as vistas panorâmicas do alto de terraços.

Puglia Alberobello trulli Rione Monti

Puglia Alberobello trulli telhados

Puglia Alberobello telhados

Muitos são pintados com símbolos cristãos ou pagãos, para trazer sorte aos habitantes ou protegê-los do mau-olhado.

Puglia Alberobello trulli simbolos nos trulli

Puglia Alberobello trulli siameses
Os famosos trulli siameses, ligados pelo telhado

O Rione Monti fica em um morro, e bem no alto fica a Chiesa di Sant’Antonio, conhecida informalmente como Igreja dos Trulli. Não é bem um trullo, já que a igreja foi construída com técnicas diferentes, mas faz homenagem à paisagem ao redor com tetos no mesmo formato.

Puglia Alberobello igreja nos trulli

Depois fui ao segundo bairro de trulli, o Rione Aia Piccola, que é completamente diferente. Para começar, ele tem bem menos trulli (590 segundo a UNESCO) e eles às vezes estão cercados de prédios mais modernos. Mas aqui dá para ver que a maioria deles ainda são usados como casas, que são menos comercializados. As ruas do bairro são mais tranquilas, sem tanta gente passando, e mais pitorescas. Achei muito bom visitar ambos e sentir esse contraste.

Puglia Alberobello trulli Rione Aia Piccola

Puglia Alberobello trulli rione aia piccola 2

Além dos dois bairros, a UNESCO ainda cita quatro lugares na decisão de transformar a cidade em patrimônio cultural, então fui à procura deles. O primeiro foi a histórica região de mercados entre os dois Rioni, pela qual eu passei várias vezes durante o dia. A segunda foi a Casa d’Amore, a primeira casa da cidade a ser construída com técnicas modernas, quando os Bourbon reconheceram Alberobello como cidade e revogaram as proibições dos condes. Também é um bom lugar para visitar chegando na cidade, porque é o centro de informações turísticas.

Puglia Alberobello trulli Casa d'amore

De lá, dei uma passada no Museo dei Territori, construído em uma aglomeração de quinze trulli para contar a história da região. Quando eu fui, o google falou que estaria aberto, mas não estava e na porta só tinha os horários de julho a setembro, então não sei se fica aberto o ano inteiro. Se alguém conseguiu ir, conta para a gente nos comentários.

Puglia Alberobello trulli museu do território

Finalmente, fui ao Trullo Sovrano, conhecido por ser o único trullo de dois andares construído com a técnica original. Ele era sede de uma confraria, depois foi comprado como casa por uma família, e hoje abriga um museu que conta a história dos trulli.

Puglia Alberobello trulli trullo sovrano

Lá perto ficam algumas ruazinhas cheias de trulli, mas eles também estão cercados de construções mais modernas como a Basilica de São Cosme e Damião.

Puglia Alberobello trulli igreja de sao cosme damiao

Alberobello foi minha última parada nessa viagem pela Puglia. Depois conto mais sobre meus outros destinos, como Bari, Lecce, Ostuni e Monopoli.

Clique aqui para ler todos os posts sobre a Itália.

1 comentário

Deixe uma resposta