O Castelo dos Radziwiłł em Niasvizh: um passeio pela Belarus barroca

Minsk é conhecida por ter sido quase completamente destruída na Segunda Guerra, com pouquíssimos prédios mais antigos. Mas existem opções bem perto da cidade onde a gente vê a Belarus mais antiga, e isso inclui dois castelos que são Patrimônio da Humanidade segundo a UNESCO. Esse post vai contar sobre a minha visita para um deles, o Castelo dos Radziwiłł e a cidadezinha de Niasvizh (Нясвіж, em Belarrusso, e Несвиж ou Nesvizh em russo).

O Castelo dos Radziwiłł e a cidade de Niasvizh

O lugar mais famoso para visitar em Niasvizh é o Castelo dos Radziwiłł, construído por uma família nobre da região no século XVI. Ele chama a atenção, cercado parcialmente por um rio, e depois por um fosso, e tem vistas fotogênicas para lá de todo o parque.

O território então pertencia ao Grão-Ducado da Lituânia, e nos próximos séculos a história dele seria tão tumultuosa quanto a de Belarus, preso entre impérios maiores como a Polônia, a Rússia, a Suécia e a Alemanha, e por isso o castelo já foi invadido por todos esses grupos. A cada destruição, os Radziwiłł o reconstruíam, chamando arquitetos da Alemanha e da Itália.

Hoje o castelo é um dos pontos turísticos mais famosos de Belarus, e as visitas são muito populares. Quando eu fui, no início de abril de 2020, ele estava meio vazio, talvez por causa dos novos regulamentos contra o covid. Mas alguns tours passaram por mim, todos em russo. Eu fiz a visita com o audio guide, o que eu recomendo, porque ele conta a história de cada sala. Ele está disponível em inglês, belarrusso, russo e polonês.

Os interiores são tão imponentes como a gente poderia imaginar, e ele me lembra de outros castelos que visitei na Europa central. Aliás, ali perto fica a cidade de Polotsk, considerada o centro geográfico da Europa, e os dois fatos me fazem pensar em como os países da antiga União Soviética se ressentem em serem tratados como anexos da Rússia, quando eles tiveram centenas de anos de história com outros países.

Máquinas de teatros do século XVIII

A visita termina no primeiro andar, com a coleção de armas e a Capela, que é uma das partes mais evocativas do castelo. Nela, ficam fotos das reconstruções e mesmo de restos morais encontrados no castelo. Além disso, te muma placa retirada da antiga biblioteca, que diz, em latim: “aqui os mortos vivem e os mudos falam”.

Além disso, também dá para visitar o parque que cerca o Castelo, e que vale muito a pena.

Como tantos lugares em Belarus, Nyasvizh também tem uma história trágica com a Segunda Guerra Mundial. O Castelo foi novamente destruído com a invasão nazista, e um massacre aconteceu no parque atrás do castelo, o que hoje é lembrado por uma placa comemorativa e um monumento dedicado ao soldado desconhecido.

Mas depois do Castelo, ainda vale a pena passear um pouco pela cidadezinha de Niasvizh. O segundo lugar mais famoso para visitar lá é a Igreja de Corpus Christi, um prédio do século XVI, que foi uma das primeiras igrejas barrocas Comunidade Polaco-Lituana. Mais de 70 membros da família dos Radziwiłł foram enterrados ali.

Também vale a pena andar um pouquinho até o Portão de Slutski, no começo da estrada que ligava a cidade à cidade vizinha de Slutsky.  

Além disso, vale a pena ver um pouquinho da cidade, cheia de casinhas de madeira tradicionais.

Como chegar

O modo mais popular de visitar Niasvizh é como um bate-e-volta de Minsk. Ela fica a cerca de duas horas de distância, e é fácil ir de ônibus. Os ônibus saem da Estação Central na Praça Lenin, e geralmente tem Pinsk como destino final. Eles param na estação de ônibus de Niasvizh. Eu comprei o meu bilhete online, é bem fácil, não precisa imprimir, e ele ainda tinha a informação da plataforma de onde a gente saía. Mas o site só funciona em russo, e é bom prestar atenção em um detalhe, tudo na compra tinha o nome russo da cidade, Nesvizh, enquanto no ônibus e na cidade mesmo eu vi só o nome belarusso, Niasvizh. 

Também dá para ir de trem, ou eletrichka, os trens elétricos que vão para os subúrbios de Minsk. Eles saem de Minsk Pasažyrski em direção a Haradzieja/Gorodey, e de lá é preciso pegar um ônibus  para Niasvizh.

Dá para combinar a visita com a viagem ao castelo de Mir?

Quando eu procurei informações online sobre como visitar o Castelo em Niasvizh, encontrei também muitas informações sobre como visitar o Castelo em Mir, lá perto. Faz sentido, são dois dos castelos mais famosos do país, ambos patrimônios da humanidade, um perto do outro. Quem vai de carro ou entra em uma excursão costuma visitar os dois no mesmo dia. De transporte público é um pouco mais complicado.

É que é um trajeto que só atrai quem tá viajando por turismo, e Belarus nem tem tantos turistas, quanto mais tantos que querem fazer tudo de transporte público. Então eles às vezes colocam alguns ônibus para juntar as duas, geralmente um por dia, saindo de Niasvizh, só nos meses quentes. No resto do ano, a única forma de ver os dois no mesmo dia é pegar um táxi entre as duas cidadezinhas. É sempre bom conferir antes para ver em quais dias o ônibus passa, e em que horário. Também aconselho comprar o bilhete antes. Quando eu fui, tinha um ônibus saindo de Niasvizh só às 17, então não dava para chegar em Mir antes do castelo fechar. Não foi um problema para mim, porque eu tava morando em Minsk e prefiro fazer esses passeios com calma mesmo, mas é bom olhar se você só tem alguns dias em Belarus.

Clique na imagem para ler todos os posts sobre Belarus

1 comentário

Deixe uma resposta