Visitando a casa-museu de Tchekhov, um dos pais do teatro moderno, em Moscou

Mais um dia, mais um relato de uma casa-museu de um grande escritor que visitei na Rússia, parte da minha viagem pela literatura russa. E hoje é para contar sobre uma casa dividida, com duas entradas, um para os pacientes do médico Tchekhov, e outras para os visitantes pessoas do escritor Tchekhov, que revolucionou o teatro e o conto. O museu conta a história de sua vida, e por isso foi uma ótima visita em Moscou.

Casa museu Tchekhov moscou entrada

Tchekhov nasceu em Taganrog, filho de um ex-servo e uma mulher ucraniana. O pai dele, Pavel Tchekhov, era abusivo com os filhos e a esposa, apesar de muito religioso, típico cidadão do bem, e é visto por muitos como o modelo de várias figuras dos seus contos e peças. Quando ele ainda era adolescente, o pai dele declarou falência e se mudou para Moscou com a família para fugir dos credores. Anton Tchekhov foi o único deixado para trás, para vender as possessões da família e terminar o ensino médio. Lá, ele se sustentava dando aulas particulares e capturando e vendendo passarinhos. Único na cidade depois de viver a vida toda com seis irmãos, talvez foi nesse momento que ele começou, como seus personagens, a desejar ardentemente uma via nova em Moscou.

Finalmente ele se mudou para a cidade quando foi admitido para estudar medicina. Para pagar as taxas da faculdade e sustentar a mãe e os irmãos mais novos, ele escrevia contos satíricos curtos, sob vários pseudônimos, e ficou famoso. Ele costumava dizer que a medicina era sua esposa, e a literatura era sua amante, e isso eu vi no momento que entrei na casa, que tem duas entradas, uma para os pacientes, e outra para as visitas pessoais, e que está decorada com suas fotos ao lado de Tolstói e Gorki.

Fabricas de Moscou centros culturais dr tchekhov flakon
Grafite do Dr. Tchekhov, no centro cultural Flakon, em Moscou

É que Tchekhov se formou em medicina e começou logo a exercer a profissão, mas nunca ganhou muito dinheiro com ela. Ele nunca cobrava dos pacientes que não podiam pagar. Deve ser o único caso que já ouvi falar de um médico que tratava os pacientes de graça e depois de envolvia com literatura para complementar o orçamento.

Ele também começou a negligenciar a própria saúde: como médico, ele logo reconheceu em si os sintomas da tuberculose, mas escondeu a doença da família e dos colegas. O museu conta a história da expedição que ele fez à Ilha Sakhalina, uma viagem extenuante que ele fez para visitar as colônias penais. Há tempos Tchekhov se interessava pelo sistema prisional russo, e a viagem era em parte por isso, mas também era uma forma de negação, ir a um lugar tão inóspito para provar a si mesmo que, apesar das evidências, ele era saudável.

Casa museu Tchekhov moscou intrumentos medico

Tchekhov em um ponto recebeu uma carta de um escritor famoso na época, Dmitry Grigorovich, dizendo que ele tinha talento real, e que deveria escrever menos e mais conscientemente. Tchekhov mesmo dizia como essa carta inspirou nele a ambição de escrever bem, e o fez olhar para o que escrevia de um jeito novo. 

Foi nessa época que ele escreveu sua primeira peça, Ivanov, que foi muito elogiada pela originalidade. Tchekhov trazia realismo a suas peças, tentava escrever como as pessoas realmente agem e por isso é considerado um dos pais do teatro moderno, com Ibsen e Strindberg.

Foi nessa época também que ele desenvolveu um dos princípios que norteariam sua produção dramática, e que hoje é chamado de Arma de Tchekhov: “Remova tudo que não tem relevância para a história. Se você diz no primeiro capítulo que um rifle está pendurado na parede, no segundo ou terceiro ele deve ser disparado. Se ele não será disparado, não deve ficar pendurado na parede”.

Casa museu Tchekhov moscou peças
As janelas Art Nouveau contam a história do Tchekhov-escritor

Tchekhov teve que se mudar para Ialta, no Cáucaso no fim da vida, porque o clima seria melhor para o tratamento que fazia contra a tuberculose. Ele odiava estar longe de Moscou, chamava o lugar de “Sibéria Quente” e ia para casa sempre que conseguia uma desculpa. A casa de Moscou chama a atenção pelo ambiente familiar, já que ele continuou morando com dois dos irmãos por toda a vida, e em Ialta também sua irmã Masha estava lá para ajudá-lo. Ele faleceu em um spa alemão onde fazia outro tratamento para a tuberculose, e foi enterrado no Convento de Novodevichi, um lugar de honra, conhecido hoje como o cemitério dos cosmonautas.

Casa museu Tchekhov moscou salas mantidas como eram
Sala preservada como era na época

O legado que ele deixou para trás é gigantesco, e me surpreende como ele não é mais conhecido. Já falei que ele é considerado um dos pais do teatro moderno, e ele é também o segundo autor mais adaptado para o cinema, ficando atrás só de William Shakespeare. No Brasil, acho que ele é mais conhecido como contista, com grande parte dos seus trabalhos tendo sido traduzida diretamente do russo pela Coleção Leste da Editora 34. Mas nos EUA, ele é muito conhecido como dramaturgo, pela sua associação com Stanilavski, o diretor russo que inventou o método que hoje é conhecido simplesmente como Method Acting, e que está por trás de várias atuações admiradas e premiadas (mas vou falar mais de Stanilavski em breve – eu também visitei o museu dele em Moscou). 

Casa museu Tchekhov moscou cartaz estreia a gaivota
Cartaz da época da estréia da peça A Gaivota

Para quer conhecer mais sobre Tchekhov, esses são algumas das suas obras publicadas no Brasil:

A Dama do Cachorrinho e outros contos – contos curtos em tradução direta de Boris Schnaiderman. Como eles apresentam no site da Editora 34, “grande parte da originalidade de Tchekhov reside no papel fundamental que desempenham, em suas histórias, a sugestão e o silêncio, a ponto de, muitas vezes, o mais importante ser justamente o que não é dito.”

O Beijo e outras histórias – Seis contos e novelas maiores, também em tradução direta de Boris Schnaiderman. Além de ter obras primas, como Enfermaria número 6, ele também tem um valor sentimental para mim por ser o primeiro russo que li na vida, e o início de uma obsessão que estou documentando aqui com meus relatos sobre a Rússia.

As Três Irmãs – Tradução de Maria Jacintha. Essa é uma das poucas peças dele que achei em português, mas que hoje em dia a gente só acha em sebos. Esperemos que a 34 lançe o Teatro Completo em breve!

Clique na imagem para ler todos os nossos posts sobre a Rússia:

Deixe uma resposta