Volta ao Mundo em Filmes – México: Amores Brutos

Às vezes quando eu sorteio um país, o filme que eu quero ver já está decidido. Ou porque é um filme famoso que eu já queria ver, ou porque foi muito recomendado, ou no caso de Amores Brutos, de Alejandro Gonzales Iñarritu, minha escolha para o México, pelos dois motivos.

O filme tem três histórias conectadas, todas centradas nas relações de pessoas com seus cachorros (o título original é amores perros, “amores cachorros”, um trocadilho que não traduz bem em português). Aliás, o filme começa com um aviso que nenhum cachorro foi ferido durante a produção, o que achei bom porque alguns momentos do filme foram difíceis de assistir.

A primeira das histórias se chama “Octavio e Suzana”. Ela começa quando Octavio (Gael Garcia Bernal) dirige desesperado para um hospital, levando seu cachorro Cofi, que levou um tiro após ganhar uma rinha. Ele provoca um acidente de carro que une as três histórias. Pelos flashbacks, nós vemos que a história dele conta sobre como ele se apaixonou por Suzana (Vanessa Bauche), uma adolescente noiva de seu irmão, que é violento e perigoso.

A segunda história é “Daniel e Valeria”, sobre um executivo de tv (Alvaro Guerrero) e uma modelo (Goya Toledo) que estão começando uma vida nova juntos. Eles alugaram um apartamento enorme, do qual podem ver um enorme billboard com uma foto dela. O relacionamento começa a se deteriorar, em parte porque ela não consegue mais trabalhar, tendo quebrado a perna no acidente, em parte porque o cachorrinho dela desaparece, perdido debaixo das tábuas do apartamento, e eles não sabem se ele está perdido ou assustado demais para voltar.

A última história é ”El Chivo e Maru”, e conta a história de um morador de rua que apareceu nos dois segmentos anteriores. El Chivo (Emilio Echevarria) é um matador de aluguel tentando entrar em contato com a filha que ele não vê há vinte anos e que pensa que ele está morto. Ele também resgatou Cofi, a cachorra de Octavio, do acidente de carro e agora está cuidando dela.

O filme tem uma brutalidade que o torna bem difícil de assistir – mesmo sabendo que não eram reais, quase parei nas cenas de rinhas de cães no início. Mas gostei de como as três histórias passam por realidades tão diferentes do México, e foi um bom filme para aprender um pouco mais sobre o país.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s