Três seguros saúde para usar na Itália: IB2, SSN e seguro particular

Seguro-saúde é um requisito de entrada na Europa e para conseguir o visto, caso seja necessário. Também é algo que eu nunca viajaria sem, depois de todas as histórias de terror que já ouvi. Mas na Itália, é importante balancear as três principais opções, e já usei todas em momentos diferentes. Então queria escrever um pouquinho sobre como elas funcionaram para mim, e os prós e contras de cada uma.

IB2 – O Seguro de Saúde gratuito para brasileiros

Qualquer brasileiro pode fazer o IB2, graças a um acordo bilateral, não importa se for para fins de estudo, trabalho ou turismo. O único requisito é ser contribuinte da previdência (se você não for, pode se cadastrar e fazer a contribuição mínima). Aliás, mesmo se você tem passaporte italiano, pode ser bom fazer, porque você pode ter que morar na Itália por um tempo antes de ter acesso completo ao sistema de saúde de lá.

Se você já tem carteira de trabalho, vai precisar do número do PIS. Se não tem, pode tirar seu PIS online (aqui, clicar em “inscrição” e “não-filiado”).

Depois, você faz o cálculo do valor que deve ser pago. Nesse site, você pode colocar seu número de PIS e fazer o cálculo.

Aí é só imprimir o boleto e pagá-lo. Depois, você deve ir ao Ministério da Saúde da sua cidade e procurar o setor de Acordos Internacionais, levando o boleto com o comprovante, RG, CPF, passaporte e comprovante de endereço, tudo em original e cópia. Olhe antes se é necessário agendar o atendimento, porque varia em cada cidade e nas épocas em que ele é mais requerido.

Eu fui buscar o meu alguns dias depois, recebi dois originais do documento, e levei direto no cartório para apostilar, como me recomendaram no Ministério da Saúde mesmo. Também fiz uma cópia para o consulado, para fazer o visto. Como você vai receber os documentos finais na Itália, não é necessário que o IB2 seja carimbado pelo funcionário do consulado, como é preciso com seguros particulares.

Quando você chegar na Itália, vai precisar ir a Azienda Sanitaria Locale e se cadastrar para poder ter acesso à assistência médica. Aqui em Bologna, você deve ir a Via Montebello, 6. Não pegue uma senha no andar de baixo, mas vá direto para o segundo andar. Os responsáveis pelo seguro ficam na sala 203. Quando eu fiz, ele ficou pronto no mesmo dia. O seguro pode ser usado com qualquer médico que atenda pelo serviço de saúde pública da Itália, mas o funcionário me deu alguns nomes para que eu tivesse referências perto da minha casa. Ele também passou o telefone do departamento, caso algum médico não conhecesse o IB2 e quisesse confirmar. Foram os documentos que ele me deu que eu xeroquei e mandei para fazer o Permesso, a carteirinha de estrangeiro residente na Itália.

Prós:

  • Gratuito
  • Você faz parte no Brasil, então é uma mão na roda para quem não fala italiano ou não quer chegar e já ter que encarar a burocracia da Itália. 

Contras:

  • Você tem que fazê-lo antes de começar o visto, e depois usá-lo para o permesso di soggiorno, só que o IB2 só dura um ano. Então se você estiver em um comune como Bologna, onde a data máxima do seu permesso é a data do seu seguro saúde, isso vai garantir que o seu permesso nunca tenha a duração máxima e você tenha que renová-lo mais frequentemente do que deveria.
  • Segundo o moço que me atendeu, os médicos deveriam saber o que ele é, mas muitos não sabem.

SSN – o acesso ao serviço de saúde italiano

Para profissionais e estudantes morando na Itália, você também pode se inscrever no SSN, o serviço de saúde italiano. Se você for um estudante, paga 150 euros por ano, e ele é válido por um ano, de 1 de janeiro a 31 de dezembro. Se você faz um intercâmbio de setembro a fevereiro, é um problema porque você tem que pagar dois anos, mas fora isso, é um seguro muito conveniente, em que você se registra para ter um médico de família, que te acompanha. Se você trabalha na Itália, o valor é proporcional ao seu salário, com mínimo de 400 euros por ano.

Lembrando que na Itália você tem que fazer copagamentos por serviços médicos, que são calculados em faixas dependendo da sua renda. Essa é a norma na Itália, e os preços não costumam ser altos, mas é bom verificar antes de um procedimento para evitar surpresas (e se você não curte copagamentos, defenda o SUS).

Prós:

  • Ter um médico “di famiglia”, que te acompanha.
  • É reconhecido em toda a Itália

Contras:

  • Dura um ano solar, ou seja, de janeiro a dezembro. Quem vem por um ano para ficar de setembro a julho tem que pagar dois anos.

Seguro Particular

Existem, é claro, centenas de companhias pelas quais você também pode fazer um seguro particular. Eu fiz o do Seguro de viagem da World Normads por um mês nas duas vezes em que me mudei para a Itália, para garantir que eu estaria coberta durante a viagem (perder uma conexão, overbooking, vôo cancelado, extravio de bagagem, etc). Eu também faço um quando viajo para o exterior, já que tanto o ib2 quanto o SSN são válidos só na Itália, e é preciso fazer outros para viajar pela União Européia.

Os seguros particulares também são uma opção para o período inteiro, mas nesse caso realmente não sei recomendar qual seria o melhor.

Prós

  • A maioria dos planos te cobrem caso você viaje para outros países da Europa. Com os outros planos, você tem que comprar um quando viaja para fora da Itália. Para quem viaja muito, pode valer a pena.
  • Alguns também servem como seguro viagem.

Contras

  • Os custos podem ser bem altos, pelo menos comparado ao IB2 e ao SSN para estudantes.
  • Tenha certeza que ele é válido para fazer o visto, se for a intenção, e lembre-se de fazer com que os funionários o carimbem na embaixada, porque isso é necessário para fazer o permesso di soggiorno na Itália.

Clique na imagem para ler nossos outros posts sobre a Itália

Seguro-saúde é um requisito de entrada na Europa e para conseguir o visto, caso seja necessário. Também é algo que eu nunca viajaria sem, depois de todas as histórias de terror que já ouvi. Mas na Itália, é importante balancear as três principais opções, e já usei todas em momentos diferentes. Então queria escrever um pouquinho sobre como elas funcionaram para mim, e os prós e contras de cada uma.

Clique na imagem para ler nossos outros posts sobre a Itália

Deixe uma resposta