Volta ao Mundo em Livros – República do Congo: Broken Glass

Tem vários países que parecem ter uma indicação unânime, e esse foi o caso da República do Congo (também chamada de Congo-Brazzaville). Assim que comecei a procurar por um romance para ler, todo mundo sugeria as obras de Alain Mabanckou. Então fiquei com um dos seus livros mais famosos, Broken Glass.

O romance é narrado por Garrafa Quebrada, um professor alcóolatra que foi suspenso da escola por causa do seu comportamento errático. Como ele passa a frequentar um bar chamado Credit Gone West, o dono lhe dá um caderno para narrar as histórias que ele ouve por lá. A intenção é preservar a atmosfera do bar, mas que só ele mesmo pretende ler.

  . . . when I asked why he was so set on this notebook, he said he didn’t want Credit Gone West just to vanish one day, and added that people in this country have no sense of the importance of memory, that the days when grandmothers reminisced from their deathbeds was gone now, this is the age of the written word, that’s all that’s left, the spoken word’s just black smoke, wild cat’s piss, the boss of Credit Gone West doesn’t like ready-made phrases like ‘in Africa, when an old person dies, a library burns,’ every time he hears that worn-out cliché he gets mad, he’ll say ‘depends which old person, don’t talk crap, I only trust what’s written down’ . . .

Então começa a tentativa do Garrafa Quebrada de contar as histórias dos frequentadores do bar, desde Pampers, um homem que clama que a esposa o acusou de um crime que ele não cometeu e o levou a ser enviado para a prisão, um antigo editor da Paris Match que distribui cópias da revista enquanto lembra de sua vida na França casado com uma francesa. A primeira parte do livro é bastante episódica, com os frequentadores do bar narrando suas histórias, sempre violentas, sempre tragicômicas, mas a gente já suspeita que o livro tem mais influência do narrador do que ele deixa transparecer, por causa da quantidade de referências literárias. Ele cita centenas de clássicos da literatura, e dizem que tem 170 títulos de romances na narrativa. Na segunda parte, o narrador conta mais sobre si mesmo, principalmente sua relação com a ex-esposa, Angelique, que ele chama de Diabolique, e com sua mãe. E nessa parte, a gente tem uma confrontação que realmente confirma o quanto as histórias não são tão aleatórias quanto parecem, mas não vou contar mais para preservar a surpresa.

Foi uma boa experiência de conhecer um autor que é tão famoso como representante da África francófona, e de conhecer um país tão frequentemente esquecido, no meio das complicações do vizinho maior, o Congo-Kinshasa ou RDC. Apesar dos temas pesadíssimos, não foi uma leitura pesada, e deu para conhecer um pouco sobre o país.

Deixe uma resposta