Kitai Gorod – um passeio pelo bairro mais antigo de Moscou

Kitai Gorod é conhecido como o bairro mais antigo de Moscou. A cidade foi destruída muitas vezes, e em algumas quase completamente, como no incêndio durante a Invasão de Napoleão. Pouco restou da antiga Moscou, e o que restou muitas vezes está em Kitai Gorod, misturado com prédios muito mais recentes, e é deles que vamos falar hoje,

Kitai Gorod é cercado por um anel de praças famosas, as de Borovitskaya, Manezhnaya, Revolyutsiyi, Lubyanka, os portões de Ilyinka, Slavyanskaya e os portões de Varvarka, além do rio Moskva. Aqui, vamos na verdade pular as partes mais famosas da região, que já tiveram posts próprios: a Praça Vermelha e o Kremlin. Ao invés disso, vamos nos focar em outras partes menos conhecidas do bairro, mas que são fáceis de combinar com elas, em um itinerário para caminhar por Moscou. 

A idéia é começar em uma das praças que cercam Kitai Gorod, a praça da Revolução ou Ploshchad Revolyutsii (Площадь Революции). Ela também é muito interessante pela arquitetura. De um lado, ficam dois museus com fachadas de tijolos vermelhos, o Museu da Guerra de 1812, e o Museu de História do Estado

Em outro lado, fica o Hotel Moskva, que é conhecido por uma história engraçada. Ele foi construído por ordem de Stalin. Os seus assessores apresentaram duas opções de prédios, mas ele não notou e só assinou no meio do projeto. Como ninguém teve coragem de perguntar de novo, eles construíram cada metade do prédio em um estilo diferente. Depois, ele foi reformado para parecer um pouco mais coeso, o que é sinceramente uma pena. Hoje ele é um Four Seasons.

Crédito: wiki commons

Na praça também fica o Hotel Metropol, conhecido pelo estilo Art Nouveau. A fachada tem a mão de um dos artistas russos mais famosos desse estilo, Mikhail Vrubel.

Kitai Gorod é cheia de igrejas, e uma das mais famosas é o Monastério da Epifania, perto da praça, que foi construído no século XIII, e por isso é o segundo mais antigo de Moscou. 

Crédito: wiki commons

De lá, continuamos pelo Tretyakosky Proezd, hoje uma galeria de lojas chiques.

A idéia é continuar pela rua Nikolskaya, perto da Praça Vermelha. Ela costumava ser famosa como a principal estrada para Vladimir, uma das cidades religiosas mais importantes da Rússia. Por isso, também era famosa como um lugar para comprar ícones religiosos. Hoje ela é uma rua fechada para o trânsito, cheia de cafés e lojas de souvenirs. Outro lugar interessante é a fachada gótica do Casa de Impressão do Sínodo, com um leão e um unicórnio, e dá apenas para ver

Crédito: wikicommons

De lá, a gente continua pelo que restou dos muros de Moscou, perto da Estação de metrô de Kitai Gorod. Dependendo do ângulo, dá para ver um pouco das torres de sinos douradas do Monastério de Zaikonospassky.

Depois, a gente vai continuar na rua Varvarka, que tem vários dos prédios mais antigos da cidade. O primeiro é a Igreja de São Jorge

Depois vem a Câmara dos Boiardos Romanov, construída no século XV. Ela era onde moravam os Romanov quando eles eram uma família nobre de Moscou, e foi onde nasceu Mikhail Romanov, que foi o primeiro o ascender ao trono. Por isso, a casa ficou preservada e é um lugar para ver a vida das famílias nobres da época.

Seguindo para a próxima igreja, o Monastério do Sinal, construído entre 1679–84.

A próxima é a Igreja de São Maksim, o Abençoado, do século XVII.

Depois tem a Igreja de Todos os Santos, que é uma das mais antigas da cidade. Tem uma igreja de madeira aqui desde o século XIV, e ela foi substituída por uma igreja de pedra no século seguinte. Depois ela foi reconstruída em estilo barroco, no século XVII. Uma curiosidade é a torre da igreja, que começou a se inclinar há alguns seculos.

Depois fica a Antiga Embaixada Inglesa, do século XVI. Hoje ela tem um pequeno museu sobre as relações entre a Inglaterra e a Rússia no século XVI e no XVII. 

Finalmente, fica a igreja de Santa Bárbara, de 1804.

Para andar de uma igreja a outra, a gente tem que atravessar trechos do Parque de Zaryadye, que é novo e um dos mais interessantes da cidade. Ele tem diversos ambientes climatizados que pretendem reproduzir os ecossistemas da Rússia. Ele é dividido em ambientes de floresta, estepe, tundra e planícies de inundação. Ele é também popular com festivais. Eu estive em Moscou em abril de 2018, e assim que a temperatura esquentou, tinha música ao vivo no Zaryadye todo dia.

Uma das partes mais conhecidas do parque é a ponte em V que passa em cima do rio Moscou, e que dá vistas incríveis da cidade.

Uma das igreja antigas da cidade era mais perto do rio, e por isso acabou ficando no meio do parque, a Igreja de Santa Ana.

Como sempre que faço roteiros, quero só falar que também sempre vale a pena andar pelo bairro sem rumo, procurando os lugares que não entram nas listas.

Crédito;: wikicommons

Clique na imagem para ler todos os posts sobre a Rússia

Deixe uma resposta