Volta ao Mundo em Filmes: Hungria – Harmonias de Werckmeister

Harmonias de Werckmeister é um filme de Béla Tarr, baseado livremente no romance The Melancholy of Resistance, de László Krasznahorkai. Ele fecha uma trilogia começada por Danação e Satantango, mas pode ser visto com um filme isolado. Eu o escolhi como o representante da Hungria para o projeto.

O filme se passa em uma cidadezinha de província no meio de um inverno rigoroso. O personagem que seguimos é Janos, que testemunha em silêncio todos os atos estranhos que acontecem na cidade. Ele visita Gyorgy, um músico que acredita que muitos problemas surgiram quando Andreas Werckmeister popularizou um sistema de harmonias que não era a música das esferas celestiais.

Apesar do frio, as pessoas da cidade, inclusive Janos e Gyorgy, reúnem-se para ver a chegada de um circo na praça principal da cidade. A única atração é a carcaça de uma baleia empalhada, e rumores de malefícios causados pelo circo em outras cidades. A atmosfera toda diz something wicked this way comes.

Tudo isso – o frio, a baleia, as multidões que vem de cidades vizinhas para ver o circo – atrapalha a ordem da cidade. Influenciada pelo príncipe, a figura misteriosa que veio com o circo, a cidade logo se vê submersa em um conflito. Ele tem uma capacidade estranha de incitar o pior na multidão, e levá-la a atos horrendos, e só aparece no filme como silhueta. As pessoas da cidade não entendem bem a tragédia que se aproxima, muito preocupadas em descobrir como vão usar isso para seu próprio bem, como a esposa de Gyorgy.

O que vem em seguir chega a ser difícil de assistir, porque vemos o custo da complacência, da indiferença e da covardia. Embora o filme não tenha nenhum personagem identificado como judeu, ele foi amplamente reconhecido como uma visão simbólica do Holocausto. Para outros, ele fala da Invasão Soviética da Hungria. Para mim, ambas as interpretações fazem muito sentido, mas o filme tem algo mais geral, que poderia tratar de qualquer guerra, qualquer catástrofe, porque ele fala da psicologia de massas. János encontra nos correios destruídos pela multidão um diário que conta atrocidades cometidas pela multidão. O diarista diz que eles não sabiam de que tinham raiva, então tinham raiva de tudo.

O filme também fala algo sobre a necessidade de contar sobre o que aconteceu, de lembrar. Por isso ele rapidamente se tornou um clássico, e foi premiado em festivais ao redor do mundo. Imperdível.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s